março 22, 2011

No Performance's Land? dias 15.16 e 17 de Abril 2011




No Performance’s Land? pretende interrogar o lugar da performance na contemporaneidade e conta com presença de múltiplos especialistas e performers europeus, brasileiros e norte-americanos conferindo-lhe desde já uma inscrição especial junto de um público alargado que cruza a investigação em ciências sociais e a produção artística. Pretende-se resgatar os estudos performativos de um certo exílio conceptual e explicitar o seu retorno triunfal do que hoje se define por movimento re-performativo.

O evento conta com a presença de dois dos principais nomes dos Estudos Performativos americanos, Diana Taylor e André Lepecki da Tisch School of Arts da NYU e com os reputados investigadores europeus,  o italiano Massimo Canevacci e a espanhola Victoria Perèz Royo para as conferências principais, a que se juntam um conjunto de importantes especialistas da antropologia da performance oriundos do Brasil – Maria Laura Viveiros de Castro Cavalcanti, Esther Jean Langdon, John Dawsey, Regina Muller, Vânia Cardoso, Paola Barreto, entre outros –  ou de investigadores portugueses ou a trabalhar em Portugal como Paolo Favero, José Alberto Ferreira, Teresa Fradique ou Maria José de Abreu, entre muitos outros, organizados em 4 paineis temáticos sobre performance e corporalidades, performance e narrativas, performances políticas e em espaço público e performances digitais, arquivo e vivência. As conferências decorrem no ISCTE-IUL, nos dias 15 e 16 de Abril, das 9.30h às 18.30h (Auditório B103).

Na Fundação CGD-Culturgest decorrerá complementarmente a apresentação das performances nas noites de 15, 16 e 17 de Abril. Marcado pela diversidade de propostas performativas em múltiplos formatos, contamos com um leque de artistas de relevo internacional que pela primeira vez apresentam os seus trabalhos em Portugal: a norte-americana Nao Bustamonte que colaborou com Guillermo Gomez-Peña, e é pioneira do movimento performativo novaiorquino com forte linguagem política e de crítica feminista; a italiana Francesca Fini, uma das mais importantes artistas italianas do video-art e da performance digital; Ida Larsen, uma artista emergente na dinarmarca que cruza dança com arte da performance num espectáculo de grande proximidade que decorre no interior de um automóvel com os seus Idaperformers; Márcio-André, um artista sonoro brasileiro com um longo trabalho na experimentação poética cruzando linguagens num espectáculo visual-sonoro; Andreia Inocêncio uma jovem artista portuguesa transdiciplinar com uma proposta de performance irónica sobre a condição da mulher artista nómada; e João Garcia Miguel, conceituado performer nacional, que estreará em Lisboa uma versão do seu mais recente espectáculo interactivo com claras referências à instalação. E ainda, nas instalações do ISCTE-IUL, contaremos com a presença de Regina Polo Muller, consagrada performer e antropóloga brasileira que fará um trabalho centrado numa sua versão da Carmen Miranda, a jovem inglesa Bean fundadora do projecto emergente performancespaces e um colectivo de performers formado pelo espanhol Angel H e pelos portugueses Nuno Oliveira e Guida Chambel que apresentarão  performances de acção de enfoque plástico. No Performance’s Land? reune assim uma paleta de artistas e de espectáculos que permitem pensar, na diversidade, a performance e o seu papel na compreensão da contemporaneidade.

O evento é organizado pelo Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA)  e pelo Departamento de Antropologia do ISCTE-IUL, com comissão científica e curadoria de Paulo Raposo, Teresa Fradique, John Dawsey e Vânia Cardoso. O evento é apoiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, Fundação Luso-Americana para o Desenvovimento, Fundação Calouste Gulbenkian, Instituto Italiano de Cultura e Ambi Group, para além da Fundação CGD-Culturgest e o ISCTE-IUL.

Mais informações no site: clique aqui






Sem comentários:

Publicar um comentário